quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

PR: Justiça reconhece assédio moral institucional coletivo na UFPR

Em sessão realizada em 11 de novembro, a 4ª turma do Tribunal Regional Federal (TRF) emitiu parecer favorável à Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná (APUFPR-SSind) e aos docentes representados pela entidade, ao reconhecer a prática de assédio moral institucional coletivo na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Por Adufpel - APUFPR-SSind

SP: Comissão recebe GCM e avalia denúncia de assédio moral em Secretaria

A Comissão Técnica Permanente de Segurança Pública da Câmara de Guarulhos esteve reunida nesta terça-feira (2), no plenário da Casa, com Silas Marques de Araújo e Eduardo Bueno Lopes, integrantes de Guarda Civil Municipal (GCM). Eles haviam sido convocados pelos vereadores para detalharem as denúncias de que a Secretaria Municipal de Assuntos da Segurança Pública praticaria improbidade administrativa e de que funcionários, entre os quais eles se incluíam, estariam sofrendo assédio moral.

Por Redação Guarulhosweb 

SP: Sinteps leva à Assembleia Legislativa denúncias de assédio moral nas FATECs Piracicaba e Botucatu

Professores, funcionários e estudantes da FATEC Piracicaba estão denunciando reiteradas práticas de assédio moral, por parte do diretor da unidade, Hermas Amaral Germek. “Sofremos pressão, recebemos ameaças, somos humilhados”, resumem a professoras Luciana Fisher e Luciana Moreira Martins Vieira, ambas Diretoras de Base do Sinteps na unidade.

Por Sinteps

DF: TRT discute assédio moral durante Semana Interna de Prevenção de Acidentes



A semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabaho (Sipat) foi realizada no período de 24 a 28 de novembro e contou com palestras para servidores, magistrados e colaboradores do Tribunal. Os temas debatidos foram assédio moral e postura laboral. O foco foi a prevenção de doenças no trabalho, tanto psicológicas quanto físicas.

(fonte, acesso em 04/12/2014)

SP: Bancários param agência do Santander em São Paulo contra assédio moral

Os bancários de São Paulo paralisaram a principal agência do Santander, que tem cerca de 60 trabalhadores, contra gestão da instituição que facilita a prática de assédio moral e a cobrança de metas abusivas. Logo no início desta terça-feira 2, dirigentes sindicais reuniram com os bancários da unidade, que é considerada modelo pelo banco, na Rua João Brícola, centro velho da capital paulista.

Por Contraf-CUT com Seeb São Paulo