sábado, 24 de janeiro de 2015

SP: Sifuspesp verifica denúncia de assédio moral em Ribeirão Preto

Nesta segunda-feira (19/01), o Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp) esteve na Penitenciária de Ribeirão Preto para verificar a denúncia de assédio moral na unidade. O diretor de Formação do Sifuspesp, Fábio Jabá, se reuniu com os servidores e, após constatada a veracidade da denúncia, o advogado regional Edson Nunes da Costa acompanhou o trabalhador para registrar boletim do ocorrência no 4º Distrito Policial em Ribeirão Preto.

Por Sifupesp

SP: Prefeitura persegue servidores até no Facebook

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Franca, Luiz Fernando Nascimento, acusa a Prefeitura de perseguir os servidores até nas redes sociais. Segundo ele, cerca de 40 sindicâncias administrativas foram abertas contra servidores por causa de denúncias e críticas à administração de Alexandre Ferreira (PSDB) postadas, principalmente, no Facebook.

Por Priscilla Sales / Foto: Wilker Maia - Portal GCN

RO: Assédio moral e uso de equipamentos públicos do DER em serviço particular vira alvo do MPE

O promotor de Justiça André Luiz Rocha de Almeida, do Ministério Público Estadual, instaurou um inquérito civil público para investigar possível assédio moral contra servidores públicos praticado pelo diretor da 11ª Residência Regional em Pimenta Bueno, do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), Ademir Brasil Crivelli, como represália pelo registro da prática de supostos atos de improbidade administrativa, consistente na utilização de bens, máquinas e mão de obra de servidor público em serviço particular.

Por RondoniaVip

RS: Empregada transferida de setor após ajuizar ação trabalhista deve ser indenizada

Uma prestadora de serviços de cobrança, sediada em Porto Alegre, deverá indenizar em R$ 5 mil, por dano moral, uma ex-empregada. A decisão é da 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS). A autora alegou que, após ter ajuizado uma ação trabalhista contra a empresa, foi transferida para outro setor. No novo departamento, ela teve reduzida a sua remuneração variável e, em certos momentos, ficava ociosa, sem receber trabalho. A empresa alegou que a transferência não foi um ato de retaliação. Justificou, também, que trocar empregados de setor é direito do empregador.

Por Carine Bordin e Gabriel Borges Fortes - Secom/TRT4