domingo, 17 de maio de 2015

SC: Assédio sexual é tema central do 1º Seminário Mulheres da Segurança Pública

Ambiente e condições de trabalho, assédio moral e sexual sob a perspectiva das mulheres agentes de segurança pública. Estes os temas do 1º Seminário Mulheres da Segurança Pública que acontece no dia 23 de maio, no Centro Sul (Centro de Convenções de Florianópolis), a partir das 9h. O evento é uma realização da Aprasc e da Associação Nacional de Praças (Anaspra), em parceria com o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-SC), a Associação dos Escrivãos da Polícia 

Por Associação de Praças do Estado de Santa Catarina - APRASC

SC: Tutela antecipada proíbe assédio moral por Contax e Vivo

A indenização por danos morais pode chegar a R$ 10 milhões

Por Assessoria de Comunicação Social MPT-SC

MG: Sintram volta a cobrar solução para assédio moral na UPA

A diretoria do Sintram de Divinópolis esteve, no início de fevereiro, reunida com o secretário de Saúde, David Maia e com a diretora de Emergência e Urgência, Cristiane Joaquim, para tratar das várias queixas dos servidores públicos municipais da UPA Padre Roberto relativas a assédio moral, entre outras demandas. Na ocasião, o secretário se prontificou a resolver a questão inclusive convidou o Sintram a ser parceiro no processo. Após três meses, nenhuma ação foi realizada pela Semusa, que é a responsável pela fiscalização da gestão da unidade.

Por Portal CentroOeste

PR: UniCuritiba sediará IX Seminário de Assédio Moral

Em 21/5/2015 será realizado o IX Seminário “Assédio Moral: da necessária tutela do trabalhador ao cuidado para se evitar sua banalização”.

O seminário será no Câmpus Milton Vianna Filho, sala A25, às 19 horas, para mestrandos e graduandos, com o Prof. Eduardo Milléo Baracat.

(fonte, acesso em 17/05/2015)

MT: Empresa que opera cinema de shopping de Cuiabá é condenada por assédio moral

A 2ª Turma do TRT de Mato Grosso condenou a MSA Empresa Cinematográfica, operadora do cinema do Pantanal Shopping, a indenizar em 10 mil reais uma de suas ex-empregadas, assediada moralmente em serviço. Durante o contrato de trabalho, a trabalhadora era constantemente acusada de furto pelo gerente na frente dos colegas, passando, inclusive, a atuar sob vigilância de uma supervisora.

Por Zequias Nobre - TRT/MT