quinta-feira, 6 de agosto de 2015

GO: PUC-GO demite 14 professores sem justificativas

A PUC-GO demitiu, no início deste semestre, 14 professores admitidos através de concurso – que não se equivalem às garantias das instituições públicas.

Por Fernanda Laune, da Editoria de Cidades do Diário da Manhã

RJ: Bancários defendem 16% de reajuste, PLR e o fim do assédio e das metas abusivas

A 17ª Conferência Nacional dos bancários, que contou com a participação de 667 delegados de todo o país, deu mais um exemplo de democracia e capacidade de organização da categoria, definindo a pauta e as estratégias da campanha nacional 2015.

Por Bancários Rio / CUT-RJ

SP: MPT apura supostos casos de assédio a concursados

O MPT (Ministério Público do Trabalho) de Campinas apura se vereadores de Santa Bárbara d'Oeste cometeram assédio moral contra servidores concursados. Uma denúncia anônima à Procuradoria informou que os parlamentares estariam pressionando os funcionários, inclusive atacando-os verbalmente nos corredores da Casa.

Por Thomaz Fernandes / TodoDia

RN: Metas abusivas geram condenação do Bradesco em R$ 1 milhão por dano moral coletivo

O Banco Bradesco foi condenado pela Justiça Trabalhista Potiguar a pagar indenização de R$ 1 milhão por dano moral coletivo, como resultado de ação movida pelo Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Norte (MPT/RN). Na ação, o banco é acusado de submeter empregados a metas abusivas, assédio moral, jornada excessiva, desvio de função e outras irregularidades.

Por Thales Lago e Carolina Villaça / Assessoria de Comunicação do MPT da 21.ª Região

PE: Hemobrás faz webconferência sobre Combate ao Assédio Moral e Sexual

A Hemobrás e o Núcleo de Telessaúde (Nutes) da Universidade Federeal de Pernambuco (UFPE) realizaram nesta quarta-feira (29/7) webconferência sobre "Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral e Sexual no Trabalho". A palestrante foi a consultora da Hemobrás Ivana Rizvi.

Por Blog da Hemobrás

DF: Seguradora é condenada por demitir empregado por sua orientação sexual

A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10) manteve a decisão do juízo da 2ª Vara do Trabalho de Brasília que condenou uma seguradora a pagar R$ 120 mil de indenização por danos morais a um empregado demitido em razão de sua orientação sexual. Durante o curso do contrato, o trabalhador também foi vítima de assédio moral.

Por Bianca Nascimento / Núcleo de Comunicação Social - Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região