sexta-feira, 2 de outubro de 2015

PE: Bancários deflagram greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça

Os bancários de Pernambuco pretendem cruzar os braços por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira (6). A categoria rejeitou a proposta de 5,5% e do abono salarial de R$ 2,5 mil ofertada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em assembleia nesta quinta (1º). 

Por NE10 / foto Agência Brasil

BA: Trabalhadores do metrô participam de assembleia em canteiro de obras

Trabalhadores do metrô de Salvador estão reunidos no canteiro de obras do Terminal Acesso Norte, na Rótula do Abacaxi, na manhã desta quarta-feira (30). De acordo com a CCR Metrô Bahia, os operários participam de uma assembleia convocada pelo Sindicato da Construção Pesada (Sintepav). A mobilização não afeta o trânsito da região.

Por G1 BA

Austrália: Unfriend no Facebook pode ser considerado bullying

Na Austrália, a decisão de excluir alguém do seu Facebook pode ser considerado bullying. Em um caso recente, a Comissão de Trabalho do país interpretou a ação como evidência de maus tratos no ambiente corporativo. A decisão ocorreu após uma série de queixas de uma funcionária sobre o comportamento da chefe, que incluíam insultos e, claro, a exclusão na rede social.

Por Gabriella Fiszman - TechTudo / Vida Digital - Redes Sociais

SP: Justiça do trabalho condena CPFL a pagar R$12 milhões por assédio moral

A Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) foi condenada pela 5ª Vara do Trabalho de Campinas (SP) a pagar uma indenização de R$ 12 milhões por assédio moral a funcionários. Segundo Ministério Público do Trabalho (MPT), a empresa usava de métodos de pressão para que os trabalhadores manifestassem formalmente a intenção de sair da instituição. No entanto, à decisão, divulgada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) na quinta-feira (1º), cabe recurso.

Por G1 Campinas e Região

PR: Spaipa deverá indenizar vendedor humilhado por não atingir metas

A Justiça do Trabalho determinou que a fabricante de Coca-Cola Spaipa S.A. pague indenização por assédio organizacional a um vendedor que era chamado de "vagabundo" e "incompetente" pelo supervisor quando não atingia as metas de vendas. No processo ficou demonstrado que o tratamento desrespeitoso acontecia durante reuniões habituais, na presença de outros funcionários. A decisão da 3ª Turma do TRT do Paraná, da qual cabe recurso, fixou o valor da indenização em R$ 5 mil.

Por Assessoria de Comunicação do TRT-PR